A sinalização não existe à toa, ela garante segurança e informação nas trilhas.

 

Quando você está caminhando em uma trilha, reconhece a importância daquela marcação? Muitas trilhas do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, na região da Vila de São Jorge, são antigos caminhos de garimpeiros, que já percorriam esses trajetos décadas atrás para procurar o cristal. As trilhas recebem manejo frequentemente para oferecer segurança e conforto aos visitantes. Por quê? Para que eles se mantenham nelas, não se desviem.

 

A partir do momento em que entramos em um ambiente natural, devemos estar conscientes da nossa responsabilidade nessa interação, evitando qualquer interferência. Sair da trilha pode degradar e pisotear áreas de Cerrado biologicamente sensíveis e intocadas, além de provocar riscos à segurança pessoal.

 

Trilhas são percursos intencionalmente concebidos e manejados de forma a promover o mínimo de intervenção no espaço, protegendo todo o meio ambiente e, inclusive, locais históricos. Elas não estão onde estão por acaso. Devem ter uma sinalização clara para que o visitante tenha certeza e confiança ao percorrê-las. A maioria dos atrativos da Chapada dos Veadeiros tem placas que indicam entradas e saídas, direções, alertas e informações.

 

O ideal é sempre contratar um guia, que vai conhecer o caminho percorrido, os melhores pontos para banho e fotos, os atalhos permitidos, como se atravessa um rio ou obstáculo da melhor forma. Além de dar informações sobre a biodiversidade, a história e cultura locais. Em todo caso, é importante prestar atenção nas placas e entender seus significados.

 

Conheça 11 sinalizações básicas de percurso que você pode encontrar nas trilhas da Chapada dos Veadeiros:

 

Direcional:

A mais básica, indica que direção deve ser seguida, evitando, justamente, desvios de trilha.

Confirmatória:

Ela confirma, diz “isso, é por aqui” quando já faz um tempo que a última placa apareceu e você começa a ficar em dúvida.

 

Tranquilizadora:

Essa nos tranquiliza mais uma vez, mostrando que “sim, você está no caminho certo mesmo, vai chegar logo!”

 

Indutiva:

Existem diversos caminhos que podem ser percorridos, mas essas placas mostram onde você deve ir por ser mais seguro e confiável, dando um suporte às placas direcionais.

Negativa:

Avisa os caminhos que você não deve seguir e o que você não deve fazer de jeito nenhum.

 

Saída:

Direciona para o fim da trilha, podendo encorajar e/ou informar quantos quilômetros faltam.

 

Destino:

Uma trilha pode levar a muitos atrativos, então essas placas vão mostrar outros pontos interessantes que não sejam necessariamente a cachoeira principal. Por exemplo, mirantes, riachos, pontes.

Distância percorrida:

Afinal, quem não quer saber quanto já se caminhou e quanto falta para chegar?

Educativa/regulatória:

Aquelas imagens que dizem mais que mil palavras, símbolos que já entendemos de cara, como proibido fumar, caçar, pescar.

 

Interpretativa:

Apresenta informações culturais e naturais do espaço, como locais históricos, exemplos de fauna e flora, mapas.

 

Emergencial:

Indica situações emergenciais que por algum motivo fecharam um trecho da trilha ou podem apresentar perigos ao visitante, como deslizamentos de terra, trechos escorregadios, queda de pontes e a presença de animais perigosos.

 

Fazer uma trilha na Chapada dos Veadeiros é estar em total integração com o Cerrado. A experiência se torna ainda mais enriquecedora quando as placas e orientações do atrativo são seguidas, porque você percorre os caminhos com confiança e segurança e aprende mais sobre o lugar onde está.

 

*Informações Manual de Sinalização de Trilhas do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (2018)

COMPARTILHE: